We´ll always have PARIS!

Paris

Cosmopolita, romântica, histórica, sempre jovem e requintada… não faltam adjetivos para Paris! É uma referência mundial a nível cultural, social é das mais influentes cidades do mundo nos domínios da arte, moda e gastronomia. Uma coisa é certa: Paris nunca desilude!

No fim deste artigo deixamos um GUIA PRÁTICO com todas as dicas desta cidade, como chegar, onde ficar, etc!

Bairros emblemáticos

Para se começarem logo a apaixonar pela cidade nada como começar por alguns dos bairros mais emblemáticos: Montmartre, Pigalle e Le Marais.

Le mur des je t’aime

Em frente da Place des Abbesses (logo a saída metro “Abbesses”) o muro “Le mur des je t’aime” é, como o próprio nome já diz, um muro dedicado ao amor. Num painel de 40m², o artista Frédéric Baron registrou as várias formas de dizer “AMO-TE” em 311 idiomas e dialetos…

Ao contrário dos outros muros que separam pessoas, cidades e limitam fronteiras, esse muro é um lugar de união, que nos ensina as diferentes formas de demonstrar o amor…

Muro Paris
Foto Maria e Clara Menezes

Basílica do Sacre Coeur

Seguimos até ao topo da colina mais alta de Paris?

Aqui erguer-se a Basílica do Sacré Coeur, impressionante tanto pela sua beleza quanto pelo seu tamanho. Reparem como é… branca!

Isso deve-se á escolha de uma pedra muito específica para a construção: é uma pedra muito resistente e onde a água não se infiltra, pelo contrário, quando em contato com a água liberta uma substância, chamada “calcita”, que limpa a pedra e permite manter sua cor branca.

A Basílica du Sacré Coeur é o segundo ponto mais alto da cidade, logo a seguir à Torre Eiffel, daí as vistas serem estupendas!

Na entrada da Catedral encontram-se duas estátuas, a de Joana D’Arc e a do rei Luís IX e o seu interior, em forma de uma cruz grega, brinda-nos com o maior mosaico da França, que representa o Sagrado Coração de Jesus.

Place du Tetre – Bairro de Montmartre

Está na hora de nos embrenharmos pelo bairro de Montmatre onde destacamos a Place du Tetre, uma praça pitoresca e muito animada onde coexistem em perfeita harmonia cafés com mesas na calçada, restaurantes e várias exposições permanentes com cavaletes de artistas (pintores, retratistas e caricaturistas) expõem as suas obras e pintam ao ar livre!

Mas vale a pena “perdermo-nos” pelas ruelas deste bairro que é um autêntico charme com as suas ruelas, as suas toalhas de mesa vichy e o famoso Café “La Mère Catherine”, fundado em 1793, que foi o primeiro “bistrô” de Paris.

Diz-se que a palavra “bistrô” teria nascido neste café em 1814, durante a ocupação russa, quando os soldados, apressados, pediam uma bebida dizendo: “Bistro! Bistro!”. Isto é: “Rápido! Rápido!”, em russo.

Montmartre foi um lugar importante da vida artística parisiense com o nascimento de vários grandes movimentos artísticos tendo sido frequentada por muitos artistas famosos, como Monet, Renoir, Picasso e Van Gogh.

Moulin Rouge – Bairro Pigalle

Descendo a colina vai-se ao encontro de um dos pontos de interesse mais (mal) afamados de Paris, o bairro de Pigalle…

Lá o Moulin Rouge, o cabaré mais conhecido do mundo, é o símbolo deste bairro que a “Belle Époque” colocou no mapa mundial pela sua ousadia e arrojo.

Pigalle gostava, e ainda gosta, de chocar os espíritos mais conformistas.

Aqui nasceu o can-can, o bairro dos bordéis e das “boîtes” e esse espirito continua refletido nas fachadas dos edifícios e nas sex shops que por aqui abundam. Um roteiro por Paris não fica completo sem uma visita a Pigalle.

Bairro Le Marais

Há que apanhar o metro para chegar a um outro “arrondissement”, o quarto, e assim chegar a um dos bairros mais charmosos e trendy de Paris, o “Le Marais”…

Street art, galerias de arte, boutiques de moda, macarons, baguetes, tudo por lá se pode encontrar pelas ruas e ruelas de um bairro conhecido por ser o centro da cultura  Bobo.

Desde construções antigas dos séculos XVII e XVIII, nos arredores da Place des Vosges, até lojas conceito, com o que há de mais contemporâneo, sem contar os muitos cafés, bares e restaurantes, a melhor forma de conhecer este bairro, que está na moda, é percorrer as suas ruas mais emblemáticas como a Rue des Rosiers, reduto judeu de Paris e super charmosa Rue de Bretagne, onde está localizado o popular Café Charlot. Ambas mostram o que de melhor o bairro tem a oferecer aos moradores e visitantes.

DICAS:

*Le Marseille Soap House – (17 Rue de la Verrerie) para conhecer os famosos sabonetes artesanais e muito cheirosos da cidade de Marselha, na França

*Pierre Hermé Paris – Na rua considerada gay (rue Saint-Croix de la Bretonnerie), esta loja tem os melhores macarons de Paris

*Le Pick Clps – (16 Rue Vieille du Temple) Local onde se pode provar uma cerveja francesa chamada “La parisienne”

Catedral Notre-Dame

Aproveitando a proximidade do Bairro Le Marais a sugestão é seguir até á Catedral de Notre-Dame, uma das uma das catedrais góticas mais antigas do mundo!

Localizada na Île de la Cité, no rio Sena, duas torres de mesmo tamanho, uma enorme rosácea e um pórtico composto por três portas (ao centro o Juízo Final, para o norte a Porta de Santa Ana e para o sul, a Porta da Virgem) destacam-se na sua fachada.

Uma de suas referências mais populares é o romance de Victor Hugo, cujo título original foi “Notre-Dame de Paris” ficando depois conhecido como “O corcunda de Notre-Dame”.

Na praça exterior encontra-se uma estátua de bronze que marca o “Quilómetro Zero”, a partir do qual se medem todas as distâncias de França.

O interior da Catedral é também ele impressionante: um teto abobadado que se apoia em majestosos arcos que se elevam até quase 10 metros de altura, o relevo que retrata Jesus e os Apóstolos e claro, a a difusão espacial da luz através das grandes rosáceas dos topos das naves.

Quem esteja disposto a subir os 423 degraus que levam ao topo, além de desfrutar de uma vista deslumbrante sobre os telhados de Paris, tem também como atrativo conhecer o sino de treze toneladas chamado Emmanuel bem como admirar de perto as famosas gárgulas.

Atualmente, devido ao grave incêndio de 2019, a catedral de Notre Dame permanece fechada ao público até a finalização das obras de reconstrução, por isso não é possível visitar a catedral e o acesso à praça está proibido.

Sainte-Chapelle

Também localizada na Île de la Cité, a Sainte Chapelle foi construída para abrigar as relíquias da Paixão de Cristo, compostas pela Coroa de Espinhos e um pedaço da Santa Cruz mas atualmente já não guarda nenhuma dessas relíquias pois as que sobreviveram à Revolução foram depositadas no Tesouro da Catedral de Notre Dame.

No entanto vale a pena a visita uma vez que é suntuosamente decorada com esculturas e enormes vitrais que inundam o espaço de luz e cor.

Os quinze vitrais que deixam pouco espaço às escassas paredes estão compostos por 1.113 cenas que narram a história da humanidade, desde Gênesis até a Ressurreição de Cristo.

Vamos a um museu?

Por problema é escolher… por isso, se tiverem tempo, não escolham! Vão a todos!

Museu do Louvre

DICAS:

A melhor forma de aceder ao museu é sair do metro e ir para a “Place du Carrousel”. Daqui é visível a pirâmide (entrada principal do Museu). Após passar pela segurança, descer escadas rolantes da grande pirâmide , passa-se a bilheteria e o local em que quase se tocam as pontas das pirâmides e… voilá… chegamos!

DIVISÕES DOS PAVILHÕES:

O quadrado do fundo é o Sully. De um lado o Denon (de frente para a pirâmide, à direita) e do outro o Richelieu (de frente para a pirâmide, à esqueda)

AS PRINCIPAIS ATRAÇÕES:

Nível -2  – bilheteria, café, lojinhas, casas de banho – a visita começa por aqui.

Nível -1

A partir daqui tem que se usar os elevadores e o ÚNICO elevador que se conecta com todos os andares/alas do museu é o elevador G, próximo às escadas do Sully. Há também o elevador P, mas é destinado à ala Richelieu.

Richelieu:

  • Pátio Puget – Milo de Crotone (atenção para a perfeição da pata do leão cravando na coxa do homem)
  • Pátio Puget – Four Captives / Four Defeasted Nations (4 estátuas representando reações diferentes a captura: revolta, esperança, resignação e mágoa)
  • Pátio Marly – Os Cavalos de Marly (que ficavam na entrada da Champs-Élysées, de quem vem da Place de la Concorde)

Sully

  • Louvre Medieval (Uma área contendo as fundações do antigo forte medieval que havia naquela região, quando o Louvre ainda era uma fortaleza)
  • Esfinge de Tânis (é uma belíssima esfinge encontrada na cidade de Tânis, no Egito)
  • Denon
  • Santa Maria Madalena de Gregor Erhart (uma das estátuas mais famosas do Louvre).

Nível 0          

Richelieu:

  • Código de Hamurabi (o famoso e mais antigo código de leis já encontrado, imperdível para o pessoal do Direito)
  • Touro Alado (esculturas de touros com 5 pernas e cabeça humana, que ornamentavam a entrada de um palácio da Mesopotâmia)
  • Tumba de Filipe Pot (com 8 estátuas sombrias sustentando o corpo)
  • São Jorge Combatendo o Dragão (com a cena talhada numa placa de mármore)

Sully:

  • Vênus de Milo (datada de 100 a.C., foi encontrada na Ilha de Milo, na Grécia. Há controvérsias se é mesmo Afrodite ou se é Anfrite, deusa marinha cultuada na região.)
  • Diana de Versalhes (a versão original da estátua. A cópia está na Galeria dos Espelhos, no Palácio de Versalhes)
  • Hermes Atando as Sandálias
  • Tesouros de Tutankamon (são relíquias da época do famoso faraó)
  • Caminho das Esfinges (várias efígies enfileiradas)
  • Estátua de Ramsés II (um dos faraós mais famosos da história)
  • Frisos do Palácio de Dário I (ainda mantendo grande parte de suas cores, com imagens de arqueiros e leões alados).

Denon

  • O Escravo Moribundo e o Escravo Rebelde de Michelangelo
  • Psiqué Reanimada pelo Beijo de Eros de Canova
  • Guerreiro combatente

Nível 1          

Richelieu:

  • Apartamentos de Napoleão III (lindíssimo! Eram os aposentos do antigo imperador francês e sobrinho de Napoleão Bonaparte).

Sully

  • O Escriba Sentado (estátua egípcia que retrata um homem pronto para escrever algo sobre um papiro. O que impressiona é que ainda mantém as cores originais, mesmo depois de 4.500 anos).
  • Busto de Akhenaton (o famoso faraó que decidiu venerar o sol, provocando uma lendária crise religiosa no Egito Antigo)
  • Pequenas estátuas do Faraó Akhenaton e da Rainha Nefertiti (pequeno mas retrata o famoso casal real egípcio).

Denon:

  • No patamar da escada – Victória de Samotrácia (majestosamente em destaque no museu, a estátua de 190 a.C. está numa espécie de proa e esculpida como se sua roupa tivesse voando ao vento)
  • A Madona das Rochas de Leonardo da Vinci
  • Mona Lisa de Leonardo da Vinci (seguir a placa “La Joconde”)
  • As Bodas de Canaã de Veronèse (quadro retratando a noite que Jesus transformou água em vinho. Injustamente negligenciado devido à atenção que as pessoas dão à Mona Lisa, que está de frente, na mesma sala)
  • A Liberdade Guiando o Povo de Delacroix
  • A Coroação de Napoleão de Jacques Louis David

Museu D’Orsay

O Museu D’Orsay é acima de tudo um museu prático que em muito se distingue do “labiríntico” Louvre mas não lhe fica atrás no seu encanto, contribuindo muito para isso a sua localização numa antiga estação de comboios…

O prédio tem cinco andares com várias exposições com o principal acervo do mundo dedicado ao impressionismo, realismo e simbolismo. O átrio principal, todo aberto, é preenchido por esculturas, sobre as quais se destaca um belíssimo relógio.

No último andar, além de um café, cinema e loja de souvenires o belíssimo relógio da estação, transparente para o exterior, proporciona uma das melhores imagens de Paris.

Centro George Pompidou

Mesmo para quem não seja apreciador de arte moderna, o Centro Georges Pompidou chama à atenção pela arquitetura muito própria com tubos, escadas e elevadores de cores garridas.

Além de inovador na sua estrutura de funcionamento em que os tubos que se veem na fachada oriental são de 4 cores e em que cada cor indica sua função, os azuis são do ar-condicionado, os verdes para os fluidos (circuito de água), os amarelos para os cabos elétricos e os vermelhos para as passagens (como as escadas rolantes), também a sua transparência permite uma integração inédita do interior com o exterior

No interior está um dos maiores museus mundiais de arte moderna.

Museu Picasso

Reúne diversas obras desse artista espanhol, mas apesar do seu acervo ser enorme, mais de 5 mil obras, entre pinturas, documentos e fotografias, as pinturas mais conhecidas do artista não se encontram nesse museu e por isso nunca o chegamos a visitar.

Fica, no entanto aqui a indicação da sua orgânica: as peças de Picasso estão divididas em quatro andares, sendo possível conhecer as diversas fases da vida do pintor e contém ainda obras de outros artistas que Picasso admirava, como Gauguin, Miró, Matisse, Cézane, Renoir e Modigliani.

Panteão

Antes de mais há que esclarecer que o Panteão é um mausoléu, não um museu! Lá encontram-se enterradas grandes personalidades francesas como Alexandre Dumas, escritor de obras como “Os Três Mosqueteiros” e “O Conde de Monte Cristo”, Victor Hugo, escritor autor autor de “Les Misérables” e de “Notre-Dame de Paris”, Voltaire, político e filósofo iluminista, Jean Rousseau, político e filósofo iluminista, Émile Zola, escritor e Marie Curie, física e química.

Mas, dentro do Panteão há ainda uma série de pinturas sobre a vida de Santa Genoveva, assim como painéis que contam sobre o início do cristianismo e da monarquia francesa., pelo que decidimos enquadra-lo nesta “categoria”

O ponto alto, além da cripta, é o famoso pêndulo de Foucault, que demonstra a rotação da Terra.

Catacumbas de Paris

A história das Catacumbas de Paris iniciou-se, em 1786, a partir da superlotação de cemitérios locais. Antes disso, eram túneis para construir monumentos.

Ao todo, são mais de  300 km de túneis que formam um autêntico labirinto subterrâneo no coração de Paris . Calcula-se que ali estejam abrigados mais de seis milhões de corpos!

No entanto, só uma pequena parte pode ser visitada…

Após descerem mais de 100 degraus e entrarem no túnel com cerca de 1,5 quilómetros, preparem-se uma entrar num “filme de terror” de tão “arrepiante” que é: o percurso contempla inúmeros ossos humanos e caveiras agrupados, formando extensas construções.

Arco do Triunfo

O Arco do Triunfo é sem dúvidas um dos mais icónicos monumentos de Paris.

Construído a mando de Napoleão Bonaparte como uma homenagem à glória de seu exército, tem toda a sua superfície preenchida por esculturas, inscrições em baixo relevo e outros elementos que retratam cenas de batalhas e rendem homenagens ao exército francês.

No chão, há uma homenagem aos soldados franceses mortos durante a Primeira Guerra Mundial, representados pelo túmulo de um soldado não identificado, enterrado ali em 1921 (conhecido como “Tombe du Soldat Inconnu”). O monumento ainda é engrandecido pela presença de uma chama eterna, acesa em 1923 e nunca apagada desde então.

É possível subir ao arco, por 284 degraus, em caracol, chegando-se a um salão com algumas esculturas e inscrições que contam um pouco mais da história do monumento. Não é bem um museu mas inserimo-lo aqui nesta categoria!

A partir desse salão, o acesso ao terraço é feito por um pequeno lance de escadas. Aqui obtém-se uma vista única e privilegiada da cidade, nomeadamente das 12 avenidas que partem de forma simétrica deste local

Ao longo do Rio Sena

Pontes, jardins, museus e, claro… a Torre Eiffel!

Pont des Arts

Construída no reinado de Napoleão I foi a primeira ponte metálica em Paris. A ponte já serviu como um local para exposições de arte e é hoje um estúdio ao ar livre para pintores, artistas e fotógrafos

Esta ponte sobre o famoso Rio Sena é ainda um símbolo do romantismo parisiense!

Desde o final de 2008, os turistas começaram a prender cadeados no corrimão ou na grade da ponte deitando para o rio a respetiva chave! Perdida para sempre a possibilidade de abrir o cadeado estava encontrado o simbolismo para o amor eterno…

Em 2012 o número de cadeados era esmagador e o peso já causava danos na estrutura da ponte pelo que em 2015 começaram a ser retirados. Mas a verdade é que as pessoas voltaram a prender os cadeados nos lugares possíveis, e mesmo em outras pontes de Paris…

Jardin des Tuileries

O Tuileries é o mais central, o mais histórico, o mais antigo, o mais elitista e um dos mais bonitos jardins de Paris. A sua localização é excecional: nas margens do Rio Sena, entre a praça Concorde e o Louvre, no coração da cidade.

Entrando no jardim a partir do Louvre, não perder a histórica e famosa perspetiva que se tem do Arco do Carrousel até a Grande Arche de la Defense, passando pela praça Concorde, pelos Champs Elysées e pelo Arco do Triunfo.

O Arco do Triunfo do Carrousel comemora as vitórias de Napoleão de 1805 e 1806.

E, logo após o Arco do Carrousel, vem o Jardim do Carrousel, construído para ligar o Louvre ao Tuileries que tem inúmeras esculturas ao ar livre espalhadas entre seus arbustos .

As árvores são meticulosamente podadas a 2.20 metros de altura com o objetivo acentuar a perspetiva até o Arco do La Défense.

Praça de la Concorde

A antiga “Praça da Revolução” que durante a Revolução Francesa se tornou um cenário sangrento devido à instalação de uma guilhotina na qual foram executadas mais de 1.200 pessoas entre as quais os famosos Maria Antonieta, Luís XVI e Robespierre, foi em 1795 rebatizada como Praça Concorde e adquiriu seu aspeto atual em meados do seculo XIX quando foi colocado no centro um enorme obelisco proveniente de Luxor de mais de 3.000 anos de antiguidade, doado pelo vice-rei do Egito.

Petit Palais

Localizado entre a Champs Élysées e Les Invalides, o Petit Palais foi construído para a Exposição Universal de 1900 e é um exemplo impressionante da arquitetura art nouveau, considerado um dos mais belos edifícios da “Belle Epoque” francesa.

Tem mais de mil obras de arte desde a Antiguidade até o início do século XX e apesar de não ser muito conhecido por lá encontram-se artistas como Paul Cézanne, Claude Monet e Eugene Delacroix.

Além disso, conta com exposições temporárias que exploram tendências em arte moderna e fotografia e a entrada é… gratuita!

Paris Petit Palais

Grand Palais

O Grand Palais, também construído para a Exposição Universal é um monumento dedicado pela República à glória da arte francesa e o objetivo original era sediar os principais eventos artísticos oficiais da capital. É um dos monumentos mais imponentes e bonitos de Paris, conseguindo-se avistar a famosa cúpula de vidro a muitos metros de distância.

Ponte Alexandre III

A Ponte Alexandre III, sobre o Rio Sena, completa este “conjunto” inaugurado para a Exposição Universal e por ser um símbolo da amizade franco-russa foi batizada com o nome de um czar russo.

Nas suas quatro extremidades impressionantes pilares de dezassete metros de altura, com pégasos em bronze dourado no alto, que representam as Artes, o Comércio, a Indústria e as Ciências.

É cheia de detalhes, com formas que simbolizam plantas, flores, animais e objetos místicos, como ninfas e querubins e oferece uma das mais belas vistas sobre a famosa torre Eiffel, situada não muito longe dali.

Invalides

Les Invalides foi construído por ordem do Rei Luís XIV para abrigar os militares feridos.

Hoje, está aberto ao público sendo possível visitar a sua Catedral, os seus museus e sua atração mais famosa: o túmulo de Napoleão I.

Musée de l’Armée (Museu da História Militar) – conta com 500.000 objetos e é o mais importante museu de história militar da França. Há objetos militares desde a Antiguidade até o século XX.

Église du Dôme e Túmulo de Napoleão I – É a Igreja com a cúpula folheada a ouro vista de diversos pontos de Paris e a sua principal atração é o gigantesco túmulo de Napoleão I.

Catedral Saint-Louis – De estilo clássico homenageia São Luís (Rei Luís IX)

Historial Charles de Gaulle – Espaço multimídia dedicado ao general Charles de Gaulle, antigo presidente francês, e que foi muito importante para a liberação da França do domínio nazi durante a Segunda Guerra Mundial.

Musée des Plans-Reliefs – Este museu apresenta uma coleção única de maquetes de mais de 200 anos de história militar.

Musée de l’Ordre de la Libération – Este museu conta a história da França Livre, de 1940 a 1945.

Torre Eiffel

O maior símbolo de Paris dispensa apresentações, por isso debruçamo-nos sobre algumas curiosidades ao seu redor:

A altura da Torre Eiffel muda de acordo com a estação do ano, no verão ganha 15 centímetros e no inverno recua, por causa da dilatação do ferro.

A Torre Eiffel possui um apartamento secreto criado e usado por Gustave Eiffel no seu topo. Durante anos, muitas personalidades estavam dispostas a alugar o espaço pagando fortunas, mas nunca conseguiram, nem por uma noite. Atualmente está aberto ao público.

São necessárias 60 toneladas de tinta para pintar a Torre Eiffel! O retoque da pintura acontece a cada sete anos.

Desde 2011 estão proibidas fotos noturnas da Torre para fins comerciais. A sua iluminação é considerada uma obra de arte e por isso exige o pagamento dos direitos autorais.

Nós temos uma…

O vento move a torre! O vento que atinge o alto da Torre pode oscilar sua estrutura em até sete centímetros!

Tática de guerra: na Primeira Guerra Mundial, no ano de 1914, a Torre Eiffel era utilizada como forma de comunicação entre as tropas francesas para envio de sinais no seu topo.

A Torre Eiffel, um dos pontos turísticos mais visitados do mundo, levou dois anos para ser construída e tem como apelido “A Dama de Ferro”.

O monumento tem 1.665 degraus. E há quem tenha a coragem de subi-los até seu topo a pé.

Contando do chão até a ponta da sua antena, a altura da Torre Eiffel é de 324 metros o que equivale a um prédio de 100 andares. No entanto, tem apenas 3 andares distribuídos ao longo de sua altura:

1º andar

  • piso de vidro sobre o qual é possível andar e ver as pessoas em baixo
  • restaurante “La Bulle Parisienne”
  • bar para refeições rápidas
  • loja de lembranças
  • espaço com exposição imersiva sobre a Torre Eiffel, percurso cultural com telas, displays, touch screens, fotos e maquetes  com a história, construção e aspetos estruturais da torre
  • pedaços da antiga escada em caracol que ligava o 2º ao 3º andar
  • Salão Gustave Eiffel

2º andar

  • restaurante “Jules Verne”
  • bar para refeições rápidas.
  • loja de macarons.
  • loja La Verrière, especializada em reproduções da Torre Eiffel.
  • tem já uma maravilhosa vista sobre Paris

3º andar – Topo

Espaço fechado mas com grandes janelas de onde se consegue ver toda a cidade

Após subir um lance de escadas chega-se ao terraço aberto, pequeno, um pouco apertado e sempre cheio de gente mas a emoção de ver Paris inteira de tão alto vale o desconforto!

Nesse andar há somente o bar de champanhe e o escritório de Gustave Eiffel, que se vê através de uma janela.

A grande atração do 3º andar da Torre Eiffel é PARIS!

Cruzeiro no Rio Sena

Durante uma hora passeamos de barco pelo coração de Paris com vistas espetaculares dos famosos monumentos desta cidade: Museu de Orsay, Conciergerie, Museu do Louvre, Grand Palais, Catedral de Notre-Dame, Torre Eiffel, sempre com audio-guia em português que nos ia ensinando pormenores sobre cada um deles e desvendando os seus segredos

Jardins do Trocadero

Os Jardins do Trocadéro, em frente ao Sena, são um espaço verde de passeio bastante apreciado e oferecem uma vista excecional da Torre Eiffel Paris, permitindo admirá-la em todas as suas dimensões.

No centro está a célebre Fontaine de Varsovie (Fonte de Varsóvia) e o seu grande lago artificial, equipado ao alto com vinte fortes canhões de água (5700 litros por segundo), desce em direção ao Sena numa cascata de lagos que em fileira dupla jorra de jatos de água.

Na parte de cima, o Palais de Chaillot abriga vários museus, teatros e restaurantes, com Le Parvis des Droits de l’Homme (A Esplanada dos Direitos Humanos) ao centro.

Vamos ás compras?

Aviso… tragam a carteira “recheada”!

Galerias Lafayette

As Galerias Lafayette são um ícone da moda parisiense e recebem anualmente mais de 37 milhões de visitantes.

Restaurantes, cafés, roupas, beleza e atividades culturais, tudo num só lugar e com muito charme!

Mas o que deixa todos de “boca aberta” é a cúpula de vidro e aço, em estilo Art Noveau. Os seus belos vitrais possuem a forma de uma flor e estão apoiados em várias vigas a 43 metros de altura e têm como objetivo dar luz e personalidade à loja principal das Galerias Lafayette, a Paris Haussmann.

Também não escapam ao olhar de encantamento as lindíssimas varandas douradas criadas por Louis Majorelle.

Champs Elysées

Conhecida como a mais bela avenida do mundo, a Champs-Élysées liga ao longo de 2 quilómetros o Arco do Triunfo à praça da Concorde.

Nessa parte mais próxima do Arco (que na verdade é o final da avenida), a Champs-Élysées é cheia de grandes cinemas, restaurantes, joalherias e lojas de roupas e está sempre muito agitada com a presença constante de consumidores e turistas.

Chegando ao Rond-Point des Champs-Élysées chamam a atenção, desde 2019, as seis grandes fontes super-modernas, criadas pelos designers Ronan e Erwan Bouroullec, misturando água, luz e movimento

Continuando a descer a avenida entra-se numa parte completamente diferente, sem qualquer comércio, mas cercada por enormes jardins extremamente bem cuidados. O Jardin des Champs-Élysées, que se estende até á Place de la Concorde, dos dois lados da avenida, com alguns teatros pequenos e restaurantes.


GUIA PRÁTICO

Paris está (muito) bem servido com 3 aeroportos:

O aeroporto Paris Charles de Gaulle, gigantesco mas muito bem sinalizado em francês e inglês, tem 3 terminais e é a grande porta de entrada no país através de voos internacionais. Está localizado a cerca de 35 quilómetros do centro de Paris.

O aeroporto de Paris-Orly é usado para voos domésticos e alguns internacionais. Está localizado a 18 km ao sul da cidade, mais próximo do centro que o Charles de Gaulle. Possui 4 terminais enumerados em ordem crescente, sendo que os Terminais 1 e 2 eram anteriormente conhecidos como Orly-Ouest e o Terminal 4, como Orly-Sud.

O Aeroporto de Beauvais é um pequeno e fica a cerca de 80 km de Paris. Aqui operam sobretudo as várias companhias aéreas de baixo custo, incluindo a Ryanair, Blue Air e Wizzair.

Se viajarem pela TAP, Vueling e Ibéria podem usar os nossos links! Como são nossos afiliados temos muitas vezes promoções!


Como ir do Aeroporto Charles de Gaulle para Paris?

Comboio

RER B (Réseau Express Régional)

O comboio é uma forma cómoda e económica de chegar à grande maioria dos bairros de Paris, pois está conectado em vários pontos espalhados pela cidade com o serviço de metro da capital francesa.

Há estações no Terminal 1 e 2 com horário das 4h50 às 23h50 na direção Aeroporto-Centro de Paris, e das 4h43 às 00h15 no sentido oposto (Centro de Paris – Aeroporto). Os comboios saem com uma frequência de 10 a 15 minutos e demoram 25 minutos a chegar à estação Gare du Nord; 28 minutos até Châtelet – Les Halles e 35 minutos até Denfert Rochereau.

O preço do RER B é de 10 euros.

Autocarro

Autocarros Air France

A companhia aérea Air France põe à disposição de qualquer passageiro duas linhas de autocarro desde o aeroporto Charles de Gaulle até ao centro de Paris. Para além disso, conta também com um outro autocarro que liga este aeroporto ao Aeroporto de Paris Orly.
A linha 2 do Autocarro da Air France liga o aeroporto ao Arco do Triunfo de Paris e ao Palácio do Congresso. A linha 4 leva-te até à estação de comboios de Montparnasse, fazendo uma paragem antes na estação de Gare de Lyon. Se precisarem de um transfer para o Aeroporto de Paris Orly, deves apanhar a linha 3.

Os autocarros da Air France partem a cada 15 minutos, tanto desde o Terminal 1 como do Terminal 2. Funcionam entre as 5h45 e as 23h00 e demoram cerca de 45 minutos a chegar aos respetivos destinos. Os preços variam entre os 17€ e os 21€ e podem comprar os bilhetes antecipadamente na sua página web.

Bus Roissybus

Se o vosso destino está perto da Ópera Garnier, este é o autocarro perfeito. A diferença entre este e o autocarro da Air France é o preço (este custa cerca de 10€) e o facto de ter apenas um destino. O percurso é de 50 minutos e sai dos três terminais. Funciona entre as 6h00 e as 23h00.

Autocarros públicos 350 e 351

Os autocarros públicos 350 e 351 partem tanto do Terminal 1 e 2 conectando este aeroporto com a Estação de comboios Gare de l’Est e com a estação de comboios e metro Nation. São mais baratos que o resto das opções, no entanto, por fazerem várias paragens pelo caminho podem demorar mais de 1 hora a chegar ao centro de Paris. Partem a cada 20 minutos.

Autocarro Noturno

Os autocarros N140 e N143 operam entre as 00h30 e 5h30 e ambos vão até à Gare de l’Est, utilizando dois percursos diferentes.

O preço do bilhete do autocarro noturno varia em função da distância percorrida.

Como ir do Aeroporto de Orly para Paris?

Comboio

RER B

Uma forma cómoda de chegar ao centro de Paris é o comboio RER B, o comboio urbano que chega em cerca de 20 minutos ao centro de Paris. Estes comboios funcionam desde as 5 da manhã até à meia-noite com uma frequência de saída aproximada de 10 a 15 minutos.

Mas para apanhar este comboio na estação “RER Antony” há duas alternativas: apanhar um comboio próprio do aeroporto: o Orlyval. que funciona entre as 6h00 e as 23h00 e parte a cada 5 minutos ou o autocarro “Paris par le train” que é um pouco mais barato e funciona entre as 4h41 e as 00h56.

Autocarro

Autocarros Air France

A companhia aérea Air France oferece, tanto aos seus passageiros como aos clientes de outras companhias aéreas, um serviço de autocarros para viajar até ao centro de Paris, desde em qualquer um dos dois terminais

A linha 3 liga de forma direta este aeroporto com o Aeroporto Charles de Gaulle e a linha 1 vai até ao Arco do Triunfo passando por Les Invalides e pela estação de comboios de Montparnasse.

Os autocarros da Air France saem a cada 15 minutos e demoram cerca de 45 minutos a chegar ao seu destino final. O seu horário de funcionamento vai desde as 5h45 até às 23h00 e o preço é de 21€ na linha 3 e de 12,5€ na linha 1.

Orlybus

O autocarro público Orlybus liga os terminais com a estação de metro e comboios RER Denfert-Rochereau, localizadas perto das Catacumbas de Paris. Antes de chegar ao fim do seu percurso, pára em Jourdan Tombe Issoire, Parc Montsouris e Alésia-René Coty. O percurso é de aproximadamente 30 minutos e parte a cada 17 minutos, entre as 6h00 e a meia-noite.

Autocarro noturno

Estes autocarros funcionam todos os dias da semana, entre as 00h30 e as 5h30.

A linha N31 liga o aeroporto à estação de comboio Gare de Lyon, desde a qual é fácil fazer transbordo para outro autocarro noturno até o ponto de Paris onde pretendam chegar.

A linha N144 também sai do Aeroporto de Orly e chega até à Gare de l’Est.

Ambas as linhas contam com várias paragens pelo caminho.

Como ir do Aeroporto de Beauvais para Paris?

Autocarro

O horário destes autocarros varia de acordo com a hora de chegada dos voos ao Aeroporto de Beauvais. Entre 15 e 30 minutos depois da chegada de cada voo, saem vários autocarros com destino ao centro de Paris. A duração do percurso é de 1h e 15 minutos e o destino final é a estação de comboio de Porte Maillot, desde a qual se pode continuar viagem de comboio ou metro.
No caso de haver atraso na hora de chegada dos voos, os autocarros esperam sempre pelos passageiros.

Comboio

Apanhando um dos comboios SNCF que demoram o mesmo que os autocarros mas esta é uma opção pouco utilizada porque a estação de comboio está localizada a 30 minutos de distância se for utilizado o autocarro 12 (1€) ou 15 minutos se a opção for um táxi (15€) o que se traduz num aumento tanto no preço como

Apanhando um dos comboios SNCF que demoram o mesmo que os autocarros mas esta é uma opção pouco utilizada porque a estação de comboio está localizada a 30 minutos de distância se for utilizado o autocarro 12 (1€) ou 15 minutos se a opção for um táxi (15€) o que se traduz num aumento tanto no preço como na duração do trajeto.

Outros transportes de qualquer um dos aeroportos

Para além do transporte público há ainda a hipótese de apanhar um táxi, alugar um próprio carro ou contratar um shuttle.

No caso do aluguer de um carro aconselhamos a busca através da RENTCARS ou da RENTALCARS que automaticamente selecionam entre as rent-a-car os melhores preços no destino

Para quem procura mais conforto no transporte do aeroporto para o centro, o shuttle pode ser uma excelente alternativa. Façam aqui as vossas pesquisas:


Onde ficar em Paris é um dos grandes dilemas de quem visita a cidade até porque o alojamento é, em regre, extremamente caro.

Os melhores bairros onde ficar em Paris são os da região mais central, entre o 1º e o 8º arrondissements, e cada um deles têm características únicas.

O nosso conselho é que selecionem alojamentos perto de uma estação de metro. Assim, podem ficar um pouco mais longe do centro e baixar um pouco o custo . Como a rede de metro é excelente em pouco tempo se colocarão no centro de Paris, junto a todos as suas atrações turísticas.

Vamos aqui deixar três das nossas opções pessoais das nossas viagens:

Mas, o que não faltam são opções em Paris…

A nossa escolha número 1 é utilizar o Booking.com.

Temos reservado através desta plataforma por todo o mundo e não podemos estar mais satisfeitos. NUNCA tivemos qualquer tipo de problema. Por isso, independentemente do tipo de alojamento que escolherem para a vossa estadia recomendamos que reservem aqui sem receios.

Booking.com


Em alternativa ao “típico” Hotel, poderão alugar um alojamento para férias e assim tirar partido de comodidades que um hotel não oferece, como cozinhas para preparar refeições, espaços de lazer privados e muito mais. Se essa for a vossa opção então na Vrbo, poderão sempre encontrar uma casa de férias para alugar à vossa medida, seja qual for o vosso orçamento ou destino de viagem, e usufruir de pagamentos seguros, apoio permanente e um processo de reserva simplificado


Pode ser moderado, o clima de Paris permite viajar em qualquer mês do ano. Salvo raras exceções, que duram alguns dias, as temperaturas mínimas não são extremamente baixas (se comparadas com outras capitais europeias) e as temperaturas máximas não são extremamente elevadas.

Variação da média de temperatura em Paris:

  • as temperaturas mínimas variam de 4°C no inverno a 18°C no verão
  • as temperaturas máximas variam de 7°C no inverno a 26°C no verão

Na verdade,  cada estação e cada mês tem seu próprio charme:

É durante o verão, por exemplo, que a cidade fica em festa. O calorzinho incentiva longas caminhadas pelos deliciosos bairros da capital e a realização de alguns festivais de rua. Em contrapartida, tudo fica mais caro.

A cidade fica ainda mais bonita e iluminada no inverno com os seus encantadores enfeites natalícios, mas os dias são mais curtos e as temperaturas, bem baixas. A ordem, portanto, é protegerem-se do frio. 

Na primavera, a cidade fica ainda mais colorida e as temperaturas, mais amenas. Este período é o ideal para aproveitar a esplanada de um dos famosos cafés parisienses e observar o delicioso vaivém das ruas da capital francesa.

Quando os tons de amarelo surgem na paisagem, indicam que o outono já está devidamente instalado em Paris. Este período trás uma atmosfera romântica que envolve toda a cidade.


Nunca se esqueçam de fazer SEGURO DE VIAGEM… Nós fazemos sempre!

Viajar é a nossa paixão, um momento muito esperado e planeado e por isso, nada melhor do que embarcar tranquilo! Assim, fazer um seguro viagem dá-nos a segurança de que caso algum imprevisto aconteça, como o extravio de alguma mala ou mesmo a necessidade de assistência médica, não teremos que nos preocupar com dinheiro e burocracia.

Fazemos os nossos seguros na IATI pois têm sempre a solução mais adequada para cada viagem… comparem os preços/condições das várias modalidades e façam como nós…

Simulação AQUI


Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é foto-olga-e-ze.jpg

Todos os textos são da autoria de Olga Samões e todas as fotografias deste blog são da autoria de José Carlos Lacerda, exceto onde devidamente identificado. Proibida a reprodução de quaisquer textos e/ou imagens sem autorização prévia dos autores

Este artigo poderá conter links de afiliados. O que são ?  

Ao fazerem reservas pelos links do nosso blogue NÃO vão pagar MAIS por isso e nós ganhamos uma pequena comissão dada pela entidade pela publicidade que lhe fazemos.


Leave a Reply