Visitar Bangkok

visitar bangkok edit1

Bangkok foi a nossa entrada num roteiro pelo sudeste asiático, que incluiu ainda Bali e Singapura, antes de regressar de novo á Tailândia para uns dias nas praias de Krabi e Koh Samui. Vamos contar aqui a nossa experiência para assim ficaram com várias dicas sobre para visitar Bangkok.

No fim, podem consultar um guia prático para visitar Bangkok: como chegar, onde se alojar, como se deslocar etc.

A CHEGADA

O primeiro contacto não podia ter sido pior! Um aeroporto apinhado de gente que nos reteve mais do que o previsto entre obtenção de vistos, câmbio de moeda, aquisição de cartão para a internet… O autocarro a cair de velho que nos transportou até ao centro também não foi grande ajuda pois para além se se enganar no caminho e ter que fazer marcha a trás em plena via rápida demorou eternidades até nos deixar próximo do hotel.

Com tudo isto eram 5 da tarde e já não havia tempo para cumprir o primeiro destino programado, o “Weekend Chatuchak Market” que estava já prestes a encerrar. Perdemos assim o maior mercado da Tailândia, um dos maiores do mundo, um “must go” para quem visitar Bangkok.

Ficam, no entanto aqui algumas indicações que tínhamos recolhido pois caso tenham melhor sorte!

Carinhosamente chamado de JJ Market, são bancas, bancas e mais bancas (na verdade, mais de 8000) de todo o tipo de souvenirs, artesanato, acessórios, comida, roupa e afins. Soubemos que era distribuído um mapa, à chegada para nos orientarmos! Imagine-se num labirinto sem fim, com barquinhas que se cruzam de um lado para o outro e no meio delas muita, mesmo muita gente!! Assim é o Chatuchak Market… e por isso deve ser tão apaixonante!

Visitar Bangkok

1º DIA A VISITAR BANGKOK

MBK E SKYWALK

Tivemos que começar pela zona nova da cidade onde proliferam shopping’s e arranha céus!

Após termos conseguido um táxi que apesar de ter taxímetro “se esqueceu” de o ativar e acabamos a ter que negociar o preço, chegamos ao famoso MBK, conhecido como o centro comercial das pechinchas com o seu “estilo de mercado” com barraquinhas por onde se vende de tudo um pouco em corredores com ar condicionado…uma vantagem face aos mercados tradicionais pois não é fácil lidar com o ar quente, húmido e saturado da poluída capital da Tailândia!

Visitar Bangkok 1

Passeamos pelo SkyWalk, uma via aérea que atravessa esta parte da cidade onde se pode caminhar de centro comercial em centro comercial mas acabamos num pequeno mercado de rua a comer umas espetadas de porco grelhado com queijo feitas na hora para repor energias…

Centros comerciais e arranha céus, sim, também fazem parte desta cidade, mas não fazem parte das nossas preferências!

Ainda dispostos, após mais de 24 horas de viagens e com uma “noite” mal dormida nos bancos do avião, a cumprir o planeamento do dia, tentamos apanhar o skytrain até Chinatown…sem sucesso! A estação que queríamos como destino não constava do mapa! Tentamos um táxi…sem sucesso! Ninguém queria ligar o taxímetro, a exploração do turista no seu apogeu!

CHINATOWN

Teimosamente decidimos fazer os mais de 3 km a pé…por ruas sujas e sombrias enquanto já caia a noite e o cansaço começava a pesar.

Mas chegamos a Chinatown, ou melhor, á sua “porta”. Mas ao contrário da esperada azáfama que a caracteriza deparamo-nos com um local vazio, escuro e sem graça… talvez porque já não tínhamos forças para caminhar mais meio quilómetro até á rua principal (Yaowarat Road), talvez porque já passava das 8 da noite, talvez porque entretanto começara a chover!

Havia que regressar ao hotel, na zona de Khao San Road – A conhecida meca dos backpackers em Bangkok com dezenas e dezenas de restaurantes, bares, lojas e hostels em cada canto .

Para lá chegar mais uma aventura… os táxis não paravam, ignoravam a nossa existência no meio da rua deserta! Até que um pequeno tuck tuck nos perguntou para onde queríamos ir e lá negociamos o preço e nos enfiamos perigosamente os 4 num veículo apenas com capacidade para 2, vá lá…3 no máximo !!!

KHOA SAN ROAD

De volta à zona velha da cidade estava na hora de jantar e por lá era o local ideal para comer uma boa comida de rua: Pad Thai, a tradicional comida tailandesa foi unanimemente escolhida acompanhada por deliciosos sumos de fruta!

Visitar Bangkok 2

Sendo aqui também a rua das compras em Bangkok onde é possível encontrar um pouco de tudo tinha que encontrar uma vestimenta adequada à visita dos templos no dia seguinte uma vez que não tínhamos ido ao mercado, como originalmente planeado. Um problema… há que se negociar o preço…muito para baixo, tendo em vista que o (a) vendedor (a) não vai aceitar e que aos poucos se chegará a um preço conveniente para ambos. Nada como exercitarmos os nossos “skills de negociação” e entrarmos logo no espírito asiático.

Visitar Bangkok 4

Negócio fechado, vestido comprado numa das inúmeras barraquinhas mesmo antes de começarem a ser desmontadas, por volta das 21h para darem lugar as pessoas que se acumulam nesta rua para a noitada que não tem hora para acabar… na verdade, esta rua também é conhecida pela rua em Bangkok que nunca dorme…muita diversão, um ambiente animado e cheio de outros viajantes onde todas as loucuras são possíveis!

Mas o descanso chamava por nós pois o dia seguinte já tinha alvorada marcada para bem cedo pois muito havia para descobri !!!

2 DIA A VISITAR BANGKOK

DAMNOEN SUDUAK

No segundo dia dedicado a visitar Bangkok, saímos do caótico trânsito do centro rumo ao Damnoen Saduak, o mais famoso mercado flutuante nas imediações de Bangkok.

Apesar de já ser mais uma atração turística que um autêntico mercado local é uma experiência divertida pois tudo é vendido nas margens e em barcos que vão andando nos canais, tendo os compradores que negociar de dentro do seu barco que é habilidosamente manobrado para não haver colisões!

MAEKLONG

Seguiu-se, Maeklong, um pequeno mercado em que frutas, peixes e artesanato dividem o espaço com a linha de comboio.

Lá chegados, a primeira impressão chega através das vias nasais: vários aromas emanam do mercado entre peixe semi-vivos, vegetais e alimentos a ser cozinhados! As bancas ficam mesmo junto à linha férrea e nalguns casos os produtos estão colocados diretamente no chão. O mercado é super interessante, com os locais a fazer as suas compras, alheios aos olhares espantados dos turistas.

Escolhido um ponto estratégico para ver o comboio passar, à “hora marcada “ soou ao longe uma buzina e começou toda uma movimentação dos vendedores. A agilidade deles é impressionante. Em poucos segundos os produtos são retirados das linhas férreas e toda a cobertura das bancas é recolhida. Erguem-se as câmaras… o comboio finalmente dá o ar da sua graça andando muito lentamente. Depois, em menos de 1 minuto tudo volta a ser como antes, tudo volta aos seus lugares…é uma loucura!

Reservamos previamente esta tour pelo GetYourGuide, e mais uma vez recomendamos que o façam… existem imensas agências locais a vender este e outros produtos mas poderão não ter para o dia/hora que desejam e a fiabilidade das mesmas pode ser baixa. O preço neste operador que usamos por todo o mundo é essencialmente o mesmo que no local, usam empresas locais e nunca falharam. Fica o link que usamos:

GRAND PALACE

De regresso a Bangkok, brilhos, cores, formas, imponência… tudo isso se mistura e dá vida ao ponto de referência mais famoso da cidade e cuja riqueza de detalhes é impressionante: o Grand Palace.

Visitar Bangkok 6

Dentro deste complexo com dezenas de construções impressionantes, está o Wat Phra Kaew (Templo do Buda de Esmeralda). Apogeu da arte religiosa tailandesa, é o templo budista mais sagrado de todo o país e abriga a imagem mais sagrada, famosa e importante, o Buda de Esmeralda feito em jade. A imagem tem apenas 66 cm de altura e fica posicionada num altar de ouro, cerimoniosamente envolto em vestes monásticas.

O sol da manhã deu lugar à chuva que retirou as cores cintilantes aos templos que visitamos mas tornou bem mais agradável o passeio!

WAT PHO

Começamos pelo Wat Pho famoso por abrigar uma estátua gigante do Buda na posição reclinada. A famosa estátua representa a passagem do Buda para o nirvana, mede 46 metros de comprimento e tem 15 metros de altura. É de tal forma grande que parece que foi espremida para dentro do templo.

Ao longo da estátua 108 tigelas de bronze que simbolizam as 108 ações positivas que levaram Buda a perfeição esperam outras 108 moedas para dar sorte e concretizar desejos…nada como tentar!

WAT ARUN

Após a travessia do rio Chao Phraya para a outra margem entramos no Wat Arun: O “Templo da Madrugada” em homenagem ao deus indu do amanhecer, Aruna. Com uma sumptuosa “prang”, torre em estilo Khmer de 82m de altura, rodeada por 4 torres mais pequenas decoradas com cerâmica chinesa com mosaicos florais, o templo é símbolo da cidade.

Também aqui optamos por u a tour guiada… podem sempre adquirir os ingressos individuais e explorar sozinhos os templos mas não é a mesma coisa! Gostamos de aprender com quem nos ode transmitir mais um pouco sobre cada local, sua história e significado e demos por bem empregue esta tour que realizamos!

ASIATIQUE

Para mais um jantar de Thai food acabamos no complexo asiatique, com umas vistas deslumbrante para o skyline noturno de Bangkok e um passeio pelo seu night market.

Em jeito de recuperação e de preparação do que ainda está passa vir um massagem aos pés ao estilo tailandês fechou mais um dia!

3º DIA A VISITAR BANGKOK

Após dois dias intensos em que tivemos que “andar da perna” para visitar tudo o que queríamos na cidade num tempo record, deixamos para o último dia esta experiência mais contemplativa mas que consideramos obrigatória…

A bordo de um long boat fomos percorrendo os canais do rio Chao Phraya pela zona de Thonburi percebendo assim porque é que no passado, esta cidade era conhecida como a Veneza do Oriente, tal a quantidade de artérias criadas pelo rio.

Sentindo o vento quente na cara, num ambiente relaxado e pitoresco, entre casas de madeira construídas em cima da água sobre estacas e a ocasional vendedora de souvenirs no seu barco a remo, pudemos ver de perto como os tailandeses vivem no seu dia a dia.

Visitar Bangkok 7

Deixamos assim a capital da Tailândia, uma cidade que une na perfeição o seu lado cosmopolita ao seu lado mais tradicional: Grandes arranha-céus e centros comerciais lado a lado com bairros mais humildes onde os costumes e as tradições milenares permanecem fortemente enraizados e inúmeros templos que se espalham por toda a cidade às centenas.

É uma cidade de emoções intensas, vibrante e caótica, mas sem perder o clima bucólico de antiga vila asiática.

Há quem diga que ou se ama ou se odeia… mas visitar Bangkok é sempre uma experiencia a ter uma vez na vida!

Eu sou uma das que se apaixona por este tipo de cidades logo à primeira vista. Sim, é poluída o que torna o seu ar quente e húmido quase irrespirável, sim, o seu trânsito é intenso mas tudo faz parte do seu encanto! E a gastronomia? Completamente aprovada!

Uma “queixa”: impossível andar de táxi sem tentativas de extorsão!!!! Mas mesmo assim, “Khop Khun Kah” (obrigada) país dos sorrisos…

Ficou por conhecer AYUTTHAYA… um “pretexto” para um regresso futuro!

GUIA PRÁTICO

Como chegar?

A Tailândia, oficialmente Reino da Tailândia, é um estado soberano no centro da península da Indochina, o seu território estende-se por cerca de quinhentos mil quilómetros quadrados e tem uma população aproximada de setenta milhões de pessoas, sendo o vigésimo pais mais populoso do planeta Terra. Faz fronteira a Norte com Myanmar e Laos, a Este com o Camboja e a Sul com a Malásia. É o único país da Asia que não foi colonizado por qualquer país europeu e talvez por isso que seja tão autêntico e especial.

A melhor forma de ir para a Tailândia é voar para a sua capital, Bangkok que é servida pelo aeroporto de Suvarnabhumi.

Fazemos sempre a pesquisa dos voos no Skyscanner pois assim ficamos com uma visão global dos preços praticados pelas diversas companhias aéreas e dos horários disponíveis. Tem sido um motor de busca essencial! É só escolher a opção que mais nos convém e somos redirecionados para as várias hipóteses de reserva… DICA: APÓS FEITA A ESCOLHA ir ao site da PRÓPRIA COMPANHIA AÉREA… mesmo que o skyscnaner mostre opções mais baratas… é, de certeza, a mais segura a reserva na própria companhia e mais fácil a comunicação direta quando surgem contratempos!

Sendo as passagens aéreas a parte mais cara da maioria das viagens, dedicamos um artigo apenas a explicar como funciona o Skyscanner e com dicas de como comprar voos baratos.

Há agora que chegar ao hotel! Para isso, deixamos aqui alguns meios para sair do aeroporto

  • O Airport Rail Link é a melhor forma de chegar do Aeroporto de Suvarnabhumi ao centro de Bangkok. Por menos de 1 euro e no máximo de 30 minutos chega-se ao centro da cidade num transporte prático e confortável.
  • O BTS, tipo metro de superfície, é uma forma fantástica para deslocações na cidade. Para além de chegar ao destino de forma rápida e confortável, ainda se pode disfrutar das vistas pelo caminho. É também chamado de “sky train”. É composto por 2 linhas: a linha Silom que liga o Sul e o Oeste e a linha Sukhumvit que liga o Norte ao Este.
  • Os táxis abundam em Bangkok mas tem sempre que se negociar o valor porque o taxímetro está sempre “avariado”! É um esquema bastante vulgar na cidade e portanto é necessário estar sempre alerta: insistir que o taxímetro esteja ligado durante a viagem é essencial e ter também muita atenção, pois há taxistas que fazem a viagem mais longa para assim poder garantir mais dinheiro. Tentar negociar em vez de usar o taxímetro é também uma opção, mas é raro obter um preço “justo” à primeira…
  • Assim talvez a Grab/Uber seja a melhor forma de locomoção principalmente, para quem não quer perder tempo a arranjar o melhor meio de transporte ou a negociar com taxistas e tuktuks. Os preços são muito acessíveis e com um simples “clique”, o carro está à porta do hotel, à sua espera.
  • Os tuk tuks são um dos elementos icónicos de Bangkok e, até ao aparecimento do MRT e do BTS, uma das formas de transporte mais usadas na cidade. Mais uma vez o valor tem sempre de ser negociado previamente sendo que o mínimo não deverá normalmente ir abaixo dos 30 bahts para distâncias muito curtas.
  • Autocarro: Foi a nossa opção por ser a mais barata e que está bem publicitada no aeroporto. Hoje talvez não fosse a mossa opção, mas que foi uma experiencia inesquecível, isso foi!
  • Transfer agendado: sobretudo em alta temporada, quando o movimento e as filas são grandes, uma alternativa é combinar com o hotel ou empresa especializada; apesar de mais caro, pode economizar tempo
  • Carro alugado: no aeroporto é possível levantar um carro, cujo valor você pode consultar em baixo – com a vantagem de ter como se deslocar… o transito é caótico, mas é mais uma opção!

Quando viajar?

O país possui um clima tropical húmido, afetado pela ação dos ventos de monção, que variam de direção segundo as estações do ano. De abril a outubro, os ventos são, em sua maioria, vindos do sudeste trazendo chuvas á costa oeste. Nos outros meses do ano, os ventos sopram do nordeste, sendo assim a zona mais afetada com as chuvas a costa virada para o Golfo da Tailândia. As temperaturas são, no geral, elevadas, variando entre 15 °C e 35 °C.

Onde ficar?

A nossa escolha número 1 é utilizar o Booking.com.

Temos reservado através desta plataforma por todo o mundo e não podemos estar mais satisfeitos. NUNCA tivemos qualquer tipo de problema. Por isso, independentemente do tipo de alojamento que escolherem para a vossa estadia recomendamos que reservem aqui sem receios.

Vamos indicar as nossas escolhas e algumas alternativas “para todos os gostos” baseadas na nossa pesquisa mas fica aqui deste já o link genérico para outras opções.

Booking.com

A nossa escolha recaiu sobre o Hotel Ibis Styles Bangkok Khaosan Viengtai e temos só uma palavra: PERFEITO! Qualidade, preço, localização… tudo! E poucos metros da Khaosan Road, sem o mínimo de barulho. A repetir, sem dúvida, num regresso futuro.

Em alternativa ao “típico” Hotel, poderão alugar um alojamento para férias e assim tirar partido de comodidades que um hotel não oferece, como cozinhas para preparar refeições, espaços de lazer privados e muito mais. Se essa for a vossa opção então na Vrbo, poderão sempre encontrar uma casa de férias para alugar à vossa medida, seja qual for o vosso orçamento ou destino de viagem, e usufruir de pagamentos seguros, apoio permanente e um processo de reserva simplificado

Como viajar seguro?

Este não é um conselho! É mesmo um “investimento” que consideramos OBRIGATÓRIO…

Nunca se esqueçam de fazer o seu SEGURO DE VIAGEM… Nós fazemos sempre!

Viajar é a nossa paixão, um momento muito esperado e planeado e por isso, nada melhor do que embarcar tranquilo! Assim, fazer um seguro viagem dá-nos a segurança de que caso algum imprevisto aconteça, como o extravio de alguma mala ou mesmo a necessidade de assistência médica, não teremos que nos preocupar com dinheiro e burocracia.

E neste caso concreto, com um vulcão em plena atividade por perto, nem pensamos 2 vezes!!!!!

Fazemos sempre comparação de preços/condições da apólice nestas duas companhias de seguros especializadas em seguros de viagem, em função do destino pretendido. Façam como nós e escolham o melhor seguro de viagem…

Simulação AQUI

Ficaram convencidos a visitar Bangkok ?????

Então talvez tenham interesse em ler os nossos artigos sobre a viagem que fizemos pela INDOCHINA:


Todos os textos são da autoria de Olga Samões e todas as fotografias deste blogue são da autoria de José Carlos Lacerda, exceto onde devidamente identificado. Proibida a reprodução de quaisquer textos e/ou imagens sem autorização prévia dos autores

Este artigo poderá conter links de afiliados. O que são ?  

Ao fazerem reservas pelos links do nosso blogue NÃO vão pagar MAIS por isso e nós ganhamos uma pequena comissão dada pela entidade pela publicidade que lhe fazemos.


One comment

Leave a Reply