“Pelos States” – Route 66 – LAS VEGAS / VICTORVILLE – Death Valley, o Vale da Morte

O reencontro com a Route 66 fez-se via Death Valley…

Este vale em que, como o nome indica, nada sobrevive tem, no entanto, locais fantásticos sendo o seu ponto alto a planície denominada “badwater”, a 85,5 metros abaixo do nível do mar. Aqui um dramático leito de sal pinta de branco mais uma paisagem grandiosa, como os “states” já nos vêm habituando! Nesta etapa entramos na Califórnia, o décimo e último estado que percorremos… e nessa altura já contávamos com mais que 5000 km!

O nome parece assustador e, de facto, Death Valley, o Vale da Morte, localizado no deserto de Mojave, estende-se por cerca de 225 km é o local mais seco, quente e árido dos Estados Unidos. Aliás foi nesta zona que em 1913 houve o registo de uma temperatura mais alta: 56,7ºC em Furnace Creek Ranch. Só isso justificaria tão duro nome mas conta a historia que o mesmo se deve ao facto de que quando chegaram à região os primeiros exploradores das suas riquezas naturais, em 1849, época que ficou conhecida como a “Grande Corrida do Ouro”, o esforço para atravessar o Vale até chegar às minas de ouro era tão grande que muitos acabaram por morrer no trajeto. Foi assim que o local acabou por ficar conhecido por Death Valley devido às suas características áridas e de difícil acesso juntamente com as elevadas temperaturas com que “presenteava” os seus visitantes.

No entanto, apesar da sua escaldante temperatura nos seus áridos vales a zona conta também com enormes picos nevados, canyons de pedras multicolores, dunas enormes, bacias de sal de perder de vista, criando assim paisagens únicas…

Atravessamos o Parque percorrendo uma estrada que o corta no sentido norte /sul. Apesar de existirem locais assinalados em que nos é possível aventurar nas areias do deserto em longas caminhadas a verdade é que não vínhamos com tempo nem com o material adequado e por isso cingimo-nos ao possível efetuar de carro.

A primeira paragem foi o miradouro do “Zabriskie Point” que proporcionou uma vista magnifica das “Badlands”, cordilheiras e ondulações formadas a partir da erosão. À medida que descíamos íamos ficado rodeados de dessas formações que tínhamos observado, sendo engolidos pelo solido árido do vale…

A primeira vez que abandonamos a estrada principal foi para fazer um breve percurso, com cerca de 15 Km, num único sentido… uma estradinha, com uma silhueta incrível, cheia de curvas voluptuosas passando entre as montanhas vulcânicas e sedimentares multi-coloridas, que em muitos trechos, passa, literalmente, no meio das encostas e o carro parece nem passar pelas apertadas rochas até chegar ao ponto conhecido por “Artist’s Palette” (paleta de artista) porque das montanhas que o rodeiam emana um colorido sem igual que vai dos berrantes amarelos, laranjas e vermelhos aos incríveis verdes, violetas e azuis, cores estas provenientes dos minerais oriundos das antigas formações vulcânicas. Um local fotogénico que faz bem valer a pena o “desvio”.

Daí seguimos para a “Badwater Basin” que é uma bacia no deserto do Death Valley, totalmente composto por salinas. É o ponto mais baixo da América do Norte, ficando a cerca de 86 metros abaixo do nível do mar. Estacionamos para explorar a pé o local aproveitando que as temperaturas não eram mito elevadas e nos permitiam aquele passeio, a maior parte de ano impossível. Atrás do estacionamento, é possível visualizar na montanha uma marca que aponta o nível que está o mar, bem acima das nossas cabeças!

E assim demos por terminada mais esta visita que muito enriqueceu a nossa viagem e regressamos, sem pressas à Route 66, fazendo os seus últimos trechos já com alguma nostalgia e pernoitando numa das cidades que atravessa na Califórnia, Victorville, já muito perto de LA! Hotel Hilton Garden Inn Victorville.

Booking.com

Fazemos sempre a pesquisa dos voos no Skyscanner pois assim ficamos com uma visão global dos preços praticados pelas diversas companhias aéreas e dos horários disponíveis. Tem sido um motor de busca essencial! É só escolher a opção que mais nos convém e somos redirecionados para as várias hipóteses de reserva… DICA: ESCOLHA SEMPRE A PRÓPRIA COMPANHIA AÉREA… por vezes não é a opção mais barata mas é, de certeza, a mais segura.

Para aluguer de viatura:

Para transfer desde o aeroporto:

Nunca se esqueçam de fazer o seu SEGURO DE VIAGEM… Nós fazemos sempre!

Viajar é a nossa paixão, um momento muito esperado e planeado e por isso, nada melhor do que embarcar tranquilo! Assim, fazer um seguro viagem dá-nos a segurança de que caso algum imprevisto aconteça, como o extravio de alguma mala ou mesmo a necessidade de assistência médica, não teremos que nos preocupar com dinheiro e burocracia.

Fazemos sempre comparação de preços/condições da apólice nestas duas companhias de seguros especializadas em seguros de viagem, em função do destino pretendido. Façam como nós e escolham o melhor seguro de viagem…

Simulação AQUI

Todos os textos são da autoria de Olga Samões e todas as fotografias deste blogue são da autoria de José Carlos Lacerda, exceto onde devidamente identificado. Proibida a reprodução de quaisquer textos e/ou imagens sem autorização prévia dos autores

Este artigo poderá conter links de afiliados. O que são ?  

Ao fazerem reservas pelos links do nosso blogue NÃO vão pagar MAIS por isso e nós ganhamos uma pequena comissão dada pela entidade pela publicidade que lhe fazemos.


Leave a Reply