Do outro lado do Mundo – MELBOURNE, Austrália

A última paragem por terras australianas levou-nos até Melbourne, uma movimentada cidade, dividida a meio pelo Rio Yarra e que se caracteriza pela simbiose perfeita entre novo e antigo: altos arranha céus ao lado de edifícios Vitorianos de que são exemplos a St. Paul Cathedral e a bonita estação Flinders Street Station ambos junto à moderna Federation Square ladeada pela arquitetura arrojada do Australian Center for the Moving Image.

Fazemos sempre a pesquisa dos voos no Skyscanner pois assim ficamos com uma visão global dos preços praticados pelas diversas companhias aéreas e dos horários disponíveis. Tem sido um motor de busca essencial! É só escolher a opção que mais nos convém e somos redirecionados para as várias hipóteses de reserva… DICA: ESCOLHA SEMPRE A PRÓPRIA COMPANHIA AÉREA… por vezes não é a opção mais barata mas é, de certeza, a mais segura.

Para chegar do aeroporto ao centro há várias opções:

Autocarro público

Essa é sem dúvida a forma mais barata para sair do aeroporto. No terminal 4 há uma área de transporte no térreo com as rotas 478, 479, 482 e 901. Para quem vai para o centro a melhor opção é a rota 901, porém há que parar em Broadmeadows. O problema dessas rotas é que apesar do preço, é muito mais complicado e demorado. Além disto, tem que se comprar o myki, o cartão do transporte público de Melbourne. No aeroporto vendem uma opção chamada de myki Explorer que inclui o cartão, descontos para atrações e mapas da cidade. As primeiras 24 horas são ilimitadas. Esse cartão custa $15.

Skybus

Essa é a opção mais popular. O Skybus é uma empresa privada que tem autocarros a sair de Tullamarine a cada 10 minutos. São cinco rotas diferentes que vão para diferentes lugares de Melbourne: centro (Southern Cross Station). Southbank, St Kilda, Mornington Peninsula e Western. Foi esta a nossa opção.

Várias opções para hotéis no centro:

Booking.com

As principais atracões são bastante próximas, o que nos permitiu visitá-las num só dia. O hotel foi estrategicamente escolhido no centro e alem disso, há um elétrico (tram) gratuito que percorre as ruas do centro e que se pode utilizar entrando e saindo as vezes que quiser…um exemplo a seguir !

Link “The Victoria Hotel” – https://www.booking.com/melbourne

Começamos pela Federation Square, a maior praça da cidade, local de encontro e de entretenimento, como mercados, espetáculos musicais e atividades desportivas.

Um dos edifícios que rodeiam a praça é o moderníssimo museu “Australian Centre for the Moving Image”, um centro cultural vocacionado para temas ligados ao cinema e filmes mas que estava encerrado à nossa passagem. Verifiquem no site se já reabriu: https://www.acmi.net.au/

Mesmo em frente, está a estação ferroviária mais movimentada da Austrália… O seu edifício monumental remonta ao inicio do seculo XX tendo um estilo Renascentista Francês, com uma cúpula e uma torre de relógio.

E para completar o “conjunto”, também por ali visitamos a Catedral de São Paulo, com as suas três torres características de estilo neogótico.

Também conhecida por ser uma das das grandes capitais de arte de rua do mundo seguimos até à Horsier Lane onde uma paleta de cores, formas e desenhos formam verdadeiras obras de arte que cobrem por completo as fachadas dos edifícios, caixotes do lixo e postes elétricos.

Fomos jantar ao “outro lado do rio” na região de Southbank, onde há uma série de casinos, restaurantes e bares agradáveis e uma excelente vista do skyline iluminado da cidade…

É aqui se se encontra a “Eureka Tower”, o edifício mais alto de Melbourne, com quase 300 metros. O seu nome e design têm origem na chamada “Eureka Stockade,” uma revolta que ocorreu nesta região no pico da corrida ao ouro: A coroa dourada simboliza o ouro, o traço a vermelho o sangue derramado e o vidro azul e o branco são uma alusão à bandeira da “Stockade”. – Bilhetes https://www.tiqets.com/en/melbourne-eureka-skydeck

Todos os textos são da autoria de Olga Samões e todas as fotografias deste blogue são da autoria de José Carlos Lacerda, exceto onde devidamente identificado. Proibida a reprodução de quaisquer textos e/ou imagens sem autorização prévia dos autores

Este artigo poderá conter links de afiliados. O que são ?  

Ao fazerem reservas pelos links do nosso blogue NÃO vão pagar MAIS por isso e nós ganhamos uma pequena comissão dada pela entidade pela publicidade que lhe fazemos.


2 comments

Leave a Reply