3 dias em Bali “A ilha dos Deuses”

Nestas férias no ano de 2018 que fizemos pelo Sudoeste Asiático em apenas 15 dias percorremos três países. Foi tudo minuciosamente programado e por isso restou-nos apenas 3 dias em Bali.

Deu para ficar “o bichinho”! Regressaremos com mais calma á ilha dos Deuses para desfrutar melhor das suas belas paisagens mas acima de tudo para voltar a sentir as boas vibrações que emanam de cada canto.

GUIA PRÁTICO

Como chegar?

A melhor forma de ir para Bali é voar para o aeroporto de Bali-Denpasar (DPS), localizado a poucos minutos de Kuta, na província de Denpasar, ao sul da ilha.

Fazemos sempre a pesquisa dos voos no Skyscanner pois assim ficamos com uma visão global dos preços praticados pelas diversas companhias aéreas e dos horários disponíveis. Tem sido um motor de busca essencial! É só escolher a opção que mais nos convém e somos redirecionados para as várias hipóteses de reserva… DICA: APÓS FEITA A ESCOLHA ir ao site da PRÓPRIA COMPANHIA AÉREA… mesmo que o skyscnaner mostre opções mais baratas… é, de certeza, a mais segura a reserva na própria companhia e mais fácil a comunicação direta quando surgem contratempos!

Sendo as passagens aéreas a parte mais cara da maioria das viagens, dedicamos um artigo apenas a explicar como funciona o Skyscanner e com dicas de como comprar voos baratos.

Quando viajar?

Bali, situa-se no Sudeste Asiático, e como tal é atingido pela época das monções. Esta época é caracterizada por chuvas intensas que podem durar desde meros minutos até horas ou dias inteiros sem parar.

No entanto, na Indonésia as monções são mais fracas que nos países vizinhos mas mesmo assim, especificamente em Bali, os Janeiro e Fevereiro são os meses particularmente chuvosos e por isso a evitar.

É precisamente a seguir à época das chuvas que poderá disfrutar dos seus famosos campos verdes!

A época alta começa em Maio e vai até Setembro, com temperaturas e preços mais altos, pois é a altura em que a ilha se enche de turistas de todo o mundo.

Por isso fica a dica… visitem Bali nos meses de Março /Abril para se maravilharem com os campos de arroz, enquanto evitam uma grande multidão e preços bastante mais caros.

Onde ficar?

A nossa escolha número 1 é utilizar o Booking.com.

Temos reservado através desta plataforma por todo o mundo e não podemos estar mais satisfeitos. NUNCA tivemos qualquer tipo de problema. Por isso, independentemente do tipo de alojamento que escolherem para a vossa estadia recomendamos que reservem aqui sem receios.

Vamos indicar as nossas escolhas e algumas alternativas “para todos os gostos” baseadas na nossa pesquisa mas fica aqui deste já o link genérico para outras opções

Booking.com

Como viajar seguro?

Este não é um conselho! É mesmo um “investimento” que consideramos OBRIGATÓRIO…

Nunca se esqueçam de fazer o seu SEGURO DE VIAGEM… Nós fazemos sempre!

Viajar é a nossa paixão, um momento muito esperado e planeado e por isso, nada melhor do que embarcar tranquilo! Assim, fazer um seguro viagem dá-nos a segurança de que caso algum imprevisto aconteça, como o extravio de alguma mala ou mesmo a necessidade de assistência médica, não teremos que nos preocupar com dinheiro e burocracia.

E neste caso concreto, com um vulcão em plena atividade por perto, nem pensamos 2 vezes!!!!!

Fazemos sempre comparação de preços/condições da apólice nestas duas companhias de seguros especializadas em seguros de viagem, em função do destino pretendido. Façam como nós e escolham o melhor seguro de viagem…

Simulação AQUI

Um viagem ao sudeste asiático é, antes de mais, uma viagem ao nosso interior.

A Ásia tem uma magia própria, a sua vida, a sua energia, os seus fluxos, cheiros e ritmos…como de certo terão os outros continentes, mas aqui tudo fica mais perto da alma.

Bali é um dos destinos mais visitados do mundo, e simultaneamente um dos centros religiosos mais fortes, sobretudo no que ao hinduísmo diz respeito e isso representa por si só um desafio que tem tanto de místico como de empolgante.

Para os que acreditam na energia, ela sente-se a cada esquina. Para os mais céticos, seja qual for a vossa crença, o que importa é trazerem um espírito aberto. Conhecem o “leve leve” de São Tomé ou “no stress” de Cabo Verde? É algo assim mas mais forte…

Aqui a vida é divida entre a montanha e o mar, sem os ponteiros do relógio a ditarem a pressa e o frenesim europeu. O sorriso faze parte do dia a dia, o erro é corrigido com a ação seguinte e o mal e os pensamentos negativos não cabem na palavra presente pois o karma encarregar-se-ia de o trazer no futuro.

As boa vibrações e uma espécie de descontração natural devem, aos poucos fazer parte aos daqueles que visitam a ilha dos deuses. Assim como o calor se entranha, também este espírito positivo deve ser recebido de braços abertos.

Assume-se em Bali que os males, os imprevistos e os problemas fazem parte da vida! Reza-se para que possamos lidar com eles…nunca para os afastar. Ninguém se lamenta, ninguém se queixa e todos vivem com um otimismo que nos devia fazer repensar a forma como vivemos

Ir a Bali é ir disposto a contemplar o mar durante longos minutos, sentir a areia da praia, entrar em locais onde impera o silêncio, largar o relógio… deixar-se levar-se, permitir-se ser feliz, não reclamar, não discutir, não pensar negativo…

Tivemos por cá pouco tempo… e se há lugar no mundo a repetir este será obrigatoriamente um deles!

ROTEIRO PARA 3 DIAS EM BALI

O PRIMEIRO DOS 3 DIAS EM BALI

Partimos de Kuta onde pernoitamos por se localizar junto ao aeroporto. Com destino a Ubud deliciamo-nos com o que fomos visitando!

Tanah Lot encanta… com as ondas a quebrar nas pedras que lhe servem de base é um templo consagrado ao deus do mar, Taman Ayun no meio de um parque rodeado de lagos e onde se destacam as torres, com vários telhados sobrepostos, que representam o monte Meru e depois, montanha a cima até ao Lago Bratan a 1.200 metros de altitude, fomos ao encontro do Ulun Danu Beratan Temple com o lago ao seu redor como pano de fundo… um cenário divino!

A viagem através dos montes caracteriza-se uma paisagem pontilhada de campos de arroz, lagos e povoados pitorescos – tudo localizado na fértil área verde que nos envolve e nos transmite a calma e a simplicidades das suas gentes.

E assim em comunhão com a natureza aventuramos-nos até as Leke Leme waterfalls através dum trilho pedonal fora dos roteiros turísticos. Um dia em cheio!!!

Vamos agora aos detalhes…

Kuta

Apesar de Kuta Beach ser famosa, está longe de ser a melhor praia da ilha! Cheia de restaurantes de redes internacionais como Mc Donald’s e Burguer King, lojas e bares é frequentada por turistas mais vocacionados para o surf e para as noitadas…normalmente suja, barulhenta e sem aquela “áurea” que envolve a ilha.

Nós apenas pernoitamos no KUTA PARADISO HOTEL, onde chegamos já de madrugada do nosso voo vindo de Bangkok e partimos logo de manhã com o motorista que tínhamos contratado para os 3 dias em Bali.

Apesar das poucas horas que ali passamos podemos recomendar o hotel e a sua localização.

Por isso, apesar da “má fama” de Kuta, gostaríamos de ter passado pelo menos por lá a manhã para poder formar melhor uma opinião própria. Mas apenas 3 dias em Bali implicam muito “logística” e tivemos que fazer escolhas.

Tanah Lot

3 dias em bali tl

É um dos templos mais conhecidos em Bali consagrado ao deus do mar.

Tanah Lot significa terra (Tanah) e mar (Lot), o que tendo em conta o local onde está implantado, não podia ter nome mais apropriado!

O som das ondas a quebrar nas pedras que lhe servem de base quase abafa a azafama dos turistas e confere ao local algo de mítico, ao que não são alheias as quantidade de mitos e lendas associadas a este local sagrado…

Conta a lenda que um santo hindu chamado Nirartha, encontrou um grande rochedo à beira-mar e fez do local seu lugar preferido para a meditação começando daí a pregar os ensinamentos do hinduísmo e a ganhar adeptos. Os aldeões começaram a abandonar suas crenças anteriores o que irritou o padre da aldeia, Bendesa Beraban Sakti, que o tentou expulsar…Ameaçado Nirartha passou a noite a meditar no rochedo e no dia seguinte, milagrosamente, este deslocou-se para dentro do mar, tornando-se numa ilhota.

Ainda segundo a lenda, Nirartha ordenou que serpentes do mar vivessem numa caverna que há na base da ilhota-rochedo para proteger o templo de invasores e a verdade é que elas ainda podem realmente ser vistas nas grutas do rochedo quando a maré está baixa!

Outro detalhe incrível é que existe uma caverna com uma fonte mágica debaixo de Tanah Lot! Estranhamente, a água da fonte é doce, embora o templo esteja cercado pela água salgada do oceano. Os devotos do hinduísmo de Bali usam essa água para um ritual de purificação.

A maré estava alta à nossa chegada o que nos impediu de o visitar mais de perto.

Taman Ayun

Traduzido o seu nome como “jardim belo” ou “templo-jardim na água”, este templo situado numa ilha fluvial no meio de um parque natural rodeado por largos canais é acessível por uma ponte que conduz a uma porta monumental em forma de torre no qual foi aberta uma passagem de alto a baixo.

3 dias em bali TA

Todo o complexo foi concebido para simbolizar a casa mitológica dos deuses, o Monte Meru, flutuando no mar da eternidade.

Ulun Danu Beratan Temple

O templo dedicado à Dewi Danu, a deusa da água, fica numa pequena península às margens do Lago Bratan, a 1.200 metros de altitude o que faz com que geral haja uma certa neblina que lhe confere um ar de mistério ainda mais marcante pela ilusão de que o edifício sagrado flutua sobre a água.

Na verdade o design do templo com o lago ao seu redor como pano de fundo formam um cenário divino.

O estilo do edifício é dedicado principalmente às ideologias hindus. Existem três cores sagradas usadas no edifício – vermelho simbolizando Brahma, que é o Criador de tudo; Preto simbolizando Vishnu, que mantém e preserva o equilíbrio da natureza; e finalmente branco simbolizando Shiva, que é conhecido como o Destruidor! Várias pessoas vêm a este local de culto para satisfazer seus desejos de fertilidade, prosperidade e uma sensação de completo bem-estar na vida

Leke Leke waterfalls

Encontrar a cascata é simples pois fica perto da estrada, a cerca de 30 km a norte de Ubud.

A caminhada dura apenas cerca de 15 minutos pela floresta e pontes construídas em bambu chegando-se facilmente á queda de água.

É uma caminhada fácil, de cerca de 15 minutos através de algumas pontes construídas em bambu até a queda de água…

Por não ser muito conhecida tivemos o caminho só para nós!

O SEGUNDO DOS 3 DIAS EM BALI

Após termos passado a noite no centro da cidade de Ubud no “THE MOKKSHA UBUD” tivemos com muita pena nossa que abandonar a cidade sem a conhecer como queríamos para regressar á estrada e rumar novamente ao sul da ilha onde passaríamos um dia na praia…

Trata-se mais de uma “guest house” do que um hotel e é simplemente fantático!

Estrategicamente localizado na área de arrozais verdes em “jalan bisma” é uma combinação perfeita entre o conforto da vida moderna e estar no meio da natureza. Fica localizado a uma curta distancia a pé da floresta dos macacos, Mercado de Ubud, Palácio de Ubud, Antonio Museu Blanco, Museu Puri Lukisan, Arma, Museu, Museu Neka, e muitos outros destinos turísticos a uma curta distância e oferece uma experiência de estadia “em casa”, onde fomos tratados com carinho como amigos e família, mas de uma forma profissional… até a uma massagem gratuita tivemos direito! E se vos disser o preço nem vão acreditar……… por isso fica aqui foto da reserva para verem com os próprios olhos

3 dias em Bali booking

SIM… 40 euros/quarto com pequeno almoço maravilhoso e massagem individual!

Ubud

Ubud é o centro cultural de Bali. Uma cidade encantadora!

Não é difícil perdermo-nos pelas suas ruelas onde as típicas casas balinesas em conjunto com as galerias de arte, espetáculos de dança tradicionais e rituais religiosos, celebrados “em cada esquina”, levam-nos para perto da cultura balinensa… um local a voltar com mais tempo!

Monkey Forest

Iniciamos a tour do segundo dia dos 3 dias em Bali pela Monkey Forest, lar de centenas de macacos… Os bebés são uma ternura !!!

A Monkey Forest apesar de ser um destino turístico vai muito além de “apenas” um lugar para ver e fotografar macacos de perto… Estamos em plena floresta, num ambiente formado por enormes árvores cobertas de musgo, e riachos que completam o ambiente natural do habitat desta espécie tão caraterística deste país.

Fomos percorrendo vários trilhos sinalizadas, cruzando-nos com várias esculturas , templos hindus centenários e, claro, muitos macacos que vivem livres na florestas e fazem o que bem entendem… não há qualquer tipo de grades, jaulas ou cercas!

3 dias em bali macaco

Não é segredo que algumas pessoas já foram aqui atacadas por macacos mas desde que se cumpram as regras que estão visíveis por todo o lado, ou seja, se não os provocar, não lhes tentar tocar, não lhes oferecer comida e tendo cuidado com os objetos pessoais, garantimos que terão uma experiência inesquecível neste lugar fantástico!

Tegallalang – terraços de arroz

Depois, uma paragem obrigatória!

Em Tegallalang, terraços de arroz, coloridos a verde esmeralda pelo sol da manhã, em conjunto com as altas palmeiras e riachos, levam-nos para “outra dimensão”

O clima sempre quente e húmido permite que o arroz possa ser plantado e colhido em Bali durante todo o ano.

Essa tarefa demorada e trabalhosa, a parte das vezes é feita apenas por pessoas: com chapéus de cana para se protegerem do sol forte, trabalham incansavelmente desde cedo da manhã até o final do dia, mantendo, no entanto, a simpatia e o sorriso no rosto.

Os caules de arroz são cortados com uma foice com um poderoso movimento de queda e as mulheres, na sequência, batem as hastes em cachos grandes contra um barril para liberar os grãos de arroz. Depois disso, esse ouro branco é transferido para grandes cestos.

O arroz tem muitos usos nessa região para além de ser um dos alimentos mais consumidos: as pessoas que participam de cerimónias usam um grão de arroz na testa, como símbolo de sacrifício nos templos. Além de ser a fonte da vida, o arroz em Bali também é uma oferenda valiosa para acalmar os deuses. O arroz vermelho, amarelo, branco e preto é apresentado aos deuses hindus numa cesta de folha de palmeira junto com flores e incenso.

E foi neste cenário que tivemos o privilégio de fazer um panorâmico passeio de baloiço “para o abismo”! Mágico…

Pura Tirta Empul

E por falar em magia…

Fomos conhecer o templo de Pura Tirta Empul, “nascente da água sagrada”, localizado perto da vila de Manukaya, a 20km de Ubud.

Construído no século X, neste grande lago retangular composto por 13 saídas de água, cada pessoa poderá banhar-se em cada uma das saídas, exceto nas últimas 2 apenas reservadas a celebrações fúnebres.

Segundo a lenda, as fontes naturais de água que brotam nas suas proximidades foram criadas pelo deus hindu Indra, mas o templo erguido no local é na verdade dedicado à adoração a Vishnu, o deus da água.

E aqui participamos no ritual de purificação conhecido como “Melukat“.

Antes de mais queremos que fique bem claro que este ritual não é uma atração turística. Faz parte das tradições balinesas e é preciso respeita-lo como parte da cultura local. Estar de coração e mente abertos também é algo fundamental, independente da religião ou crença de cada um… participar só faz sentido se houve “entrega”.

Na entrada do Pura Tirta Empul e nas proximidades das fontes há “guias” que explicam o ritual para que se possa compreender o propósito e também as orientações necessárias para que a tradição local não seja desrespeitada.

Mas vale a pena conhecerem todos os pormenores para aproveitarem ao máximo esta experiencia única na vida!

Antes de tudo, é preciso vestir um sarongue específico para entrar na água (normalmente verde) e adquirir uma cestinha feita de folhas de coqueiro trançadas, arroz, flores e incenso, chamada canang sari.

Depois, sentados em frente a um altar próximo da piscina, com a cesta na palma das mãos voltadas para cima faz-se uma pequena prece e um pedido. Só depois se entra na água, carregando a cesta para ser “oferecida”, ficando junto a uma das fontes.

Cada fonte tem uma finalidade específica, desde cura de doenças à auto-purificação.

Em cada uma das bicas, deve ser feita uma pequena oração, lavar o rosto três vezes, beber a água da palma das mãos por três vezes e cuspir (para se livrar de coisas más ou negativas… e de seguida mergulhar a cabeça na fonte para proteção e prosperidade antes de passar para a próxima bica.

Assim, primeiro meditamos e depois banhámos-mos em cada uma das saídas de água, purificando o corpo, a mente e finalmente a alma !!! Body, mind and soul… libertámos-mos de todos os males e saímos de energias renovadas!

Templo Gunung Kawi

Este é um dos templos mais antigos de Bali, datado do século XI. Localizado em Tampaksiring, a 14 km de Ubud, está rodeado de campos de arroz oferecendo uma vista magnífica logo à entrada. É composto por 10 altares de pedra com cerca de sete metros esculpidos numa falésia que se diz terem sido dedicados ao Rei Anak Wungsu e às suas rainhas favoritas.

E terminamos com um espetáculo típico – Kecak, uma dança enérgica com movimentos poderosos. Interpretada por 50 homens com altos sons guturais, em vez de música, mais uma experiência para recordar.

O ÚLTIMO DIA

Nusa Dua

Nusa Dua é a área dos resorts 5 estrelas de Bali. É um lugar que destoa do restante da ilha, onde a arquitetura balinesa não é tão evidente e onde imperam grandes resorts de redes internacionais.

Tinha prometido um dia apenas de praia ás meninas após a agitação de Bangkok e os dois dias anteriores a visitar os templos da ilha… e para quem procura isso com uma boa estrutura de conforto Nusa Dua pode ser uma boa opção: a praia é grande, muito areal, águas calmas… mas só! Hoje teria optado por Uluwatu ou Padang Padadang.

Ficamos alojados no hotel MERUSAKA NUSA DUA, na Praia de Nusa Dua, a 15 minutos a pé do Centro Comercial Bali Collection.

Ficam aqui algumas sugestões para atividades extra em Bali

Podem ainda acompanhar, tirar ideias e dicas dos restantes destinos que já visitamos, neste viagens e em outras, por exemplo, no VIETNAME, nos nossos artigos:


Todos os textos são da autoria de Olga Samões e todas as fotografias deste blogue são da autoria de José Carlos Lacerda, exceto onde devidamente identificado. Proibida a reprodução de quaisquer textos e/ou imagens sem autorização prévia dos autores

Este artigo poderá conter links de afiliados. O que são ?  

Ao fazerem reservas pelos links do nosso blogue NÃO vão pagar MAIS por isso e nós ganhamos uma pequena comissão dada pela entidade pela publicidade que lhe fazemos.


One comment

Leave a Reply